O momento em que te dás conta que equity…

Usualmente, os fundadores de uma empresa têm perspectivas variadas sobre a equity da sua empresa. Muitos, vêem-na como algo incrivelmente valioso. O pressuposto, claro, é o de que a equity um dia, poderá valer aquilo que gostaríamos que valesse.

Equity não é dinheiro

Interessante que os fundadores tendem a ser mais descontraídos relativamente à equidade. Não podemos falar em nome de todos (Muito menos no meu caso), mas a razão para isto é perceberem que, numa fase tão inicial, a equity não vale nada.  A maioria dos fundadores que conseguiram aumentar a sua valorização aprenderam à força (ou pelo falhanço) que inicialmente qualquer quantidade de equity não vale nada.  Isto não é o mesmo que dizer que equity não é importante para eles, mas que o aspecto chave é que não a vêem como fundadores inexperientes, ou seja, pensar que equity equivale a montes de dinheiro no futuro.

 

A Equidade é usada para impulsionar a visão

Os fundadores preocupam-se mais em ver a sua visão chegar até ao fim. Sabendo que equidade de valor zero não vale nada, estão sobretudo preocupados com criação de valor para a sua empresa. Dizendo melhor, a equidade é usada para impulsionar a visão. Obter dinheiro em troca de equidade é:

1) a validação da visão

2) recursos para espalhar a visão. Distribuir acções por colaboradores valiosos é incentivá-los a ajudarem a visão a concretizar-se.

À medida que uma empresa amadurece e se  aproxima da curva de adoção, o significado da equidade muda. É aqui que a equidade começa a tornar-se valiosa.  Porque a empresa (e a execução) tem agora tracção (como por exemplo criar valor para mass market), a equidade transforma-se numa recompensa para aqueles que foram os primeiros. Uma recompensa monetária para aqueles que acreditaram primeiro na ideia, antes de ela se tornar um activo valioso.

Em suma

A equity não tem valor até se tornar valiosa. Usa-a para obter tracção, entrega-a àqueles que conseguem ajudar a criar valor ao redor da tua visão.