A Síndrome do Regresso ao Trabalho Após as Férias

Tempo de leitura: 3 minutos

Lição aprendida este mês: A Síndrome do Regresso ao Trabalho após as Férias…
Estar de volta ao trabalho é uma tarefa difícil de realizar.
Sou privilegiado. Vivo junto à praia, o que tem muitos benefícios objetivos… e por isso a minha família também o vê e escolhe a minha casa para passar férias.
Durante 2 ou 3 meses, sou abençoado com a alegria de longos jantares e boas conversas alegres. Eles esperam, quase de uma forma mística, durante 11 meses por aquele 1 mês de liberdade e dias felizes.
Por vezes ouço um deles dizer: “Raios, foi um ano difícil, que sacrifício! Mas agora estou realmente a desfrutar do meu tempo! É a vida!”
Será que isso faz algum sentido?
Sacrificar a tua vida durante 11 meses em troca de um único mês, quando podes realmente dizer: “Agora sim, é tão bom estar vivo!”
É como desejar tanto a sexta-feira… quase como um prémio por 5 dias de trabalho e depois vem a “depressão de domingo”, mas com um formato e um sentimento mais profundo, mais intenso e mais duradouro.
Tem de ser assim? A sério?
E se cada dia for um grande dia? E se não odiasses o teu trabalho?
Se, de facto, gostasses dele? E sabes o que é ainda melhor: estar apaixonado pelo que se faz.
Não estou a dizer que cada segundo do teu tempo será uma enorme explosão de felicidade.
Por vezes há coisas que são mais agradáveis do que outras. Não há problema. Fá-las de qualquer maneira. Quando se está de férias também há coisas de que se gostam mais do que outras. E aqueles que passaram férias com os sogros reconhecerão o padrão aqui!
Mas continua a parecer bem, estamos no nosso ‘tempo de liberdade’ a desfrutar da vida.
E se eu vos disser isto:
Conheço mais do que uma pessoa que sente que a sua vida é como férias durante todo o ano.
O que pensas sobre isso? E se é possível, porque não desfrutamos todos dos nossos 12 meses de realização?
Quebra o hábito, o status quo, quem controla a tua vida se não tu? Pensa nisso.

E bem, não estou “de volta ao trabalho”… Ainda estou no meu tempo de férias. Vejo a minha vida como um todo e essa é a vida que estou a viver.

Podes subscrever a minha newsfeed aqui.
Também poderás gostar de ler: 2 vidas