Criptomoedas e olhos – qual é a relação?

Tempo de leitura: 1 minuto

Existe uma nova startup, a Worldcoin, que promete lançar uma nova criptomoeda que seria distribuída às pessoas, em troca de scans dos teus olhos. A startup parece ter sido inspirada no modelo do Rendimento Básico Universal, e quer criar uma forma segura e universal de distribuir este rendimento.

A ideia é construir dispositivos que façam scan aos olhos das pessoas e os convertam em identificadores numéricos únicos, para garantir que a pessoa é o recipiente legítimo do pagamento e que não se está a aproveitar do sistema para receber mais que o devido. Além disso, a Worldcoin está a criar uma nova criptomoeda acessível em todo o globo, que seria distribuída a cada ser humano, de forma a distribuir a riqueza de forma equilibrada em todo o mundo.

A Worldcoin está assim a tentar tornar as criptomoedas verdadeiramente universais, algo que a Bitcoin não conseguiu fazer, já que mais de 95% desta criptomoeda está concentrada em menos de 5% das contas, criando-se assim um ambiente tóxico e quase ao nível do marketing multinível.

Especialistas disseram já que, se a Worldcoin for bem-sucedida, será mais estável que a Bitcoin, Ethereum e outras, com menos flutuações. A ideia já atraiu diversos investidores do Silicon Valley, com a empresa a testar já um protótipo do seu dispositivo de scan em diversas cidades. A empresa tem pelo menos 25 milhões de dólares de financiamento, segundo a Bloomberg.

Nem tudo é exatamente positivo nesta ideia. Vários especialistas realçaram que esta solução é demasiado fantasiosa e até demasiado complicada. Está a tentar resolver o problema da distribuição de riqueza de uma forma um pouco estranha, e a ignorar completamente o aspeto da anonimidade das criptomoedas.

Podes subscrever a minha newsfeed aqui.
Também poderás gostar de ler: Uma nova onda de misticismo…