O que aprendi ao longo deste primeiro ano com a Angry Ventures

Sim, desconfio. Deves estar a pensar “Um ano? Ainda agora começou!…” A verdade é estes 365 dias com a Angry Ventures, pareceram 1000. Aprendi tanto, que me sinto um privilegiado pelo facto de ter a oportunidade de poder criar este percurso para mim, e para as pessoas que me rodeiam.

Por isso, gostava de partilhar alguns pontos que acredito que poderão ser interessantes para outros que passem ou que tenham passado pelo mesmo.

Cá vai!

1) if you make meaning you will make money – Quando nos confrontamos com um projeto novo o primeiro factor em que pensamos nunca é o briefing, ou a proposta que iremos fazer. É sim, como é que podemos criar imenso valor para este projeto. O que temos vindo a descobrir, é que se criarmos valor, no futuro, independentemente da proposta monetária, vão querer continuar a trabalhar connosco, porque as pessoas não compram o que precisam, compram o que querem.

2) És conscientemente incompetente – Tu não sabes tudo e o que sabes é quase coisa nenhuma. Por isso ouve, aprende, lê e experimenta. Só assim vais evoluir.

Não tentes ganhar nenhuma discussão. O que aprendi com o tempo é que ninguém nunca, irá ganhar uma discussão. Os livros de Dale Carnegie ajudaram-me a perceber melhor este conceito.

3) A nossa opinião é apenas um pressuposto nosso – Durante o último ano tivemos o privilégio de contactar com imensas pessoas que, ou estão a criar os seus projetos, ou têm uma ideia de negócio que querem desenvolver. O que descobrimos, e preparem-se que isto é um padrão, é que a nossa opinião é claramente um pressuposto nosso, e que é de uma arrogância brutal aqueles que criticam de forma descontrutiva, que dizem que não vai funcionar e que desmotivam os projetos ou ideias dos outros apenas baseados nos seus pressupostos. Isso acontece muito com “Experts”, Incubadoras, VC’s e Business Angels. Sim, sabem de imensos projetos de enorme sucesso que pensavam que nunca iriam funcionar…

4) Não vendas sonhos que se tornem pesadelos (by Pedro Dias) – Tenho o privilégio de trabalhar de muito perto com a Premium Minds, e se existe algo que aprendi com o seu CEO e equipa, é a importância da gestão de expectativas e a sinceridade com com que nos debruçamos sobre aquilo que fazemos e aquilo que prometemos. Este pensamento têm sido crucial para continuar a dormir muito bem de noite…

5) Make it, Sell it! – Continuo todos os dias a ver pessoas mais preocupadas com o seu produto do que com o seu marketing e estratégia de angariação de clientes.

If You Build It Will They Come” – Isto já não existe, já não acontece.

Se crias-te alguma coisa foca-te em marketing, vai ser tão ou mais importante do que o produto.

6) Só está realmente adjudicado quando o dinheiro entra na conta bancária – Já aconteceu, e penso que irá voltar a acontecer. É um facto tão simples quanto o descrito.

7) Be crappy, perfect people don’t ship anything – Não tenho vergonha nenhuma dos produtos que temos. São crappy, sim. Poderiam ser muito melhores, sim. Com mais features, melhor UX/UI, etc, etc, sim! Irão ser! Neste momento o mais importante é que existem, têm clientes, faturam e que nos recebemos imenso feedback que nos faz querer ser melhores todos os dias.

Twitter MVP
Twitter MVP

8) Only morons start a business on a loan! – Por esta frase parecer intensamente arrogante quero fazer um disclaimer:

A afirmação não é minha! – É de Mark Cuban

Mas, e existe sempre um mas, é certo e sabido que o empréstimo bancário não deverá ser uma opção a ser tomada de animo leve.

Se servir de exemplo, apenas criei a Angry Ventures, quando 4 clientes me pediram fatura (Depois de termos feito serviços e licenciamentos), ignorando por algum tempo e-mails com pedidos de faturas do lado desses clientes, de forma a financeiramente ter tudo preparado.

Deves estar a pensar: “Sim, mas não é tão fácil criar um restaurante sem empréstimo bancário.“ Concordo! Por isso é que penso que deves pensar muito bem se faz sentido criar um restaurante.

(Se este for o teu caso, experimenta criar uma experiência em tua casa: Convida alguns amigos para uma experiência de degustação e pede-lhes um valor monetário no fim. (Faz isto 5 vezes) Se te pagarem, avança!)

9) Encontra aquilo que não procuras – Este mindset ajuda-me sempre a ultrapassar momentos menos bons. Se encontro aquilo que não procuro, cresço e aprendo. Se isso acontece é porque aquele momento menos bom provavelmente não deverá ser assim tão mau. Até pelo contrario…

Vou ficar por aqui. Existem muito mais coisas que poderia partilhar, como por exemplo a super importância de pessoas e equipas, mas vou deixá-lo para um próximo post.

Foram dias intensos, mágicos e difíceis… Felizmente se é muito difícil, é muito bom!