Pareto, percentagens e receitas…

Tomei pela primeira vez conhecimento do princípio de Pareto em 2011 através do livro $100 Startup do Chris. Num último livro que li, Personal MBA de Josh Kaufman, fui bombardeado novamente com o conceito. E fez-se luz uma história que tinha ouvido em tempos…
Do que se trata?
Qualquer empresa é constituída por pessoas e sistemas. E num sistema complexo uma pequena quantidade de inputs gera a maioria dos outputs. Este padrão não linear é designado por Princípio de Pareto, ou por muitos, regra 80/20.
Atenção: Este princípio não é só adaptado aos negócios.
Exemplos:
a) Usualmente utilizamos menos de 20% da roupa que temos no armário, ao longo de 80% do tempo.
b) Usualmente menos de 20% dos clientes são responsáveis por mais de 80% das receitas
c) Usualmente comunicamos mais de 80% do nosso tempo com menos de 20% dos nossos conhecidos
O que é este princípio nos quer dizer? Que temos de nos focar… Nos inputs ideais para gerar a maioria dos resultados/outputs que desejamos.
Em tempos ouvi uma história de uma empresa de materiais de construção de Bragança que diminuiu metade dos seus custos fixos mantendo o nível de faturação e aumentando o lucro, sem despedir ninguém. Sim, de materiais de construção… Na altura não tinha percebido se existia algum conceito e princípio associado… Assim se fazem os Aha Moment!
Dos 45 clientes dessa empresa, 12 representavam mais de 90% da faturação da empresa. Focando-se nestes 12, a administração conseguiu e descobriu que poderia facilmente reduzir os custos fixos da empresa em mais de 50% e obter ainda mais lucro. Mais… talvez até o mais importante,  a maioria dos problemas, chatices e dores de cabeça vinham de 4 clientes que faziam parte dos 33 clientes que a administração despediu, que representavam 10 % da faturação da empresa. Sim, a administração dessa empresa não despediu colaboradores, despediu clientes…
Por vezes é necessário parar e olhar de fora para perceber que a solução para muitos dos nossos problemas está mesmo à nossa frente…